Topo

Coluna

Ricardo Feltrin


Igreja Universal reduz compra de horários e agrava crise em TVs

Edir Macedo, líder da Igreja Universal do Reino de Deus, estava "sustentando" muitas TVs com compra de grade  - Danilo Verpa/Folhapress
Edir Macedo, líder da Igreja Universal do Reino de Deus, estava "sustentando" muitas TVs com compra de grade Imagem: Danilo Verpa/Folhapress
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

26/07/2019 09h27

Emissoras menores que passaram os últimos anos no "azul", ou pelo menos operacionais graças aos milhões arrecadados com a venda de horas de programação para a Igreja Universal estão em apuros, segundo esta coluna apurou junto ao mercado.

O caso mais grave é o da TV Gazeta, que perdeu até 50% da verba que a Igreja colocava lá todos os meses. A Universal continua tendo sua programação exibida na Gazeta, mas de forma muito mais contida.

Conforme o site "Notícias da TV" informou no ano passado, a Universal decidiu cortar de 30% a 40% a verba para compra de espaços em outras emissoras de TV , que não a Record. A estimativa do corte é de R$ 120 milhões (ou mais).

Além dessas TVs, a igreja fundada por Edir Macedo tem horários na Band, e na RedeTV, mas as duas viram as receitas desabarem este ano.

A Gazeta está promovendo demissões em massa desde a semana passada. Somente anteontem demitiu o diretor comercial e decidiu esticar os programas de varejo (que são produzidos pela própria emissora também).

Na última sexta, como antecipou o colunista do UOL Flávio Ricco, a Gazeta demitiu os apresentadores Celso Zucatelli e Ronnie Von.

A Band também enfrenta um péssimo momento. Além da crise financeira que a casa já enfrenta há anos, com o corte de mais de 35% de espaços (e consequentemente redução de pagamentos), a emissora está sendo obrigada a reprisar programas diurnos durante a madrugada (como forma de preencher espaço).

A RedeTV é outra prejudicada: em julho do ano passado, por exemplo ela tinha semanalmente cerca de 79h10min em sua programação só com igrejas.

Neste ano essa média já caiu para 57h45 --uma redução de quase 30% nas milagrosas verbas religiosas (com trocadilho).

Assim como a Band, a RedeTV também tem ocupado os espaços "vagos" da programação nas madrugadas e nos finais de semana com reprises de programas diurnos.

Não há nenhuma previsão de que esse dinheiro voltará, já que a Universal parece satisfeita apenas com seu canal arrendado, o 21, da Band.

Ricardo Feltrin no Twitter, Facebook e site Ooops