PUBLICIDADE
Topo

Ibope em SP: SBT tem pior mês desde julho de 2017; streaming dispara

Marcão do Povo e Dudu Camargo, dois dos "expoentes" do jornalismo do SBT - Reprodução / Internet
Marcão do Povo e Dudu Camargo, dois dos "expoentes" do jornalismo do SBT Imagem: Reprodução / Internet
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

05/05/2020 00h18

Com a quarentena e o confinamento de milhões de brasileiros dentro de casa, por causa do coronavírus, o consumo de TV segue batendo recordes. Inclusive em São Paulo, o mais importante mercado tanto em público como em publicidade.

Em abril o total de TVs ligadas na região chegou a 53% entre 7h e 0h —o chamado horário comercial da TV.

Apesar disso, a TV aberta em geral não ganhou pontos de audiência e tampouco share (participação no universo de aparelhos de TV ligados). Pelo contrário: recuou.

TV aberta paradona

Um dos motivos prováveis é que todas as TVs interromperam a maioria de suas produções dramatúrgicas.

A Globo, líder de ibope, fechou o mês passado com 17,5 pontos em São Paulo, um leve recuo de 2% (cada ponto equivale a cerca de 74,5 mil domicílios).

A Record marcou 6,4 pontos, também com um pequeno recuo em relação à março (-2%), mas ainda assim ficou na vice-liderança técnica.

Em terceiro veio o SBT com 6,1 pontos.

Para a TV de Silvio Santos, isso representa um recuo de 8% em relação a março e, pior ainda, o menor índice registrado pela emissora desde julho de 2017. Um recorde negativo de quase três anos, portanto.

No Painel Nacional de Televisão (PNT), que mede a audiência nas 15 maiores regiões metropolitanas do país, a Record também ficou à frente do SBT —algo que não ocorria havia um ano.

Dois prováveis motivos para a decadência do SBT:

1) a programação atolada em reprises de atrações —o que já vinha ocorrendo desde o final do ano passado e se aprofundou com a pandemia;

2) o descaso do SBT com o produto que mais audiência está dando durante a quarentena: jornalismo.

Streaming bombando

Em compensação, o uso da TV para consumo de streaming (e em menos grau games e DVDs) cresceu de 3,9 para 6,5 pontos no mês passado.

Isso representa um aumento de 33% no uso das TVs para esse fim durante a pandemia de coronavírus.

Todos esses são dados consolidados de audiência mensurados pela Kantar Ibope Media em abril, e obtidos pela coluna.

Ricardo Feltrin no Twitter, Facebook, Instagram e site Ooops

Ricardo Feltrin