PUBLICIDADE
Topo

Televisão


Gugu: Farsa do PCC virou caso de polícia e manchou carreira do apresentador

Paulo Pacheco

Do UOL, em São Paulo

23/11/2019 11h35

Gugu Liberato, que teve sua morte confirmada ontem, passou pela pior fase da carreira na entrevista com falsos integrantes do PCC (Primeiro Comando da Capital). Líder de audiência nos anos anteriores, o apresentador viu seu prestígio e sua grande audiência fugirem após a exibição da farsa, que virou caso de polícia e manchou a trajetória do apresentador.

Falso PCC no Domingo Legal - Montagem/Reprodução/YouTube/Fabio Marckezini
Falso PCC no Domingo Legal
Imagem: Montagem/Reprodução/YouTube/Fabio Marckezini
Na entrevista, veiculada em 7 de setembro de 2003, os supostos criminosos, identificados como Alfa e Beta, assumiram a autoria do sequestro do padre Marcelo Rossi, ocorrido na semana anterior, e ameaçaram de morte os apresentadores José Luiz Datena, Milton Neves, Marcelo Rezende e Oscar Roberto Godói, que comandavam programas policiais.

Os supostos bandidos, encapuzados e armados, também voltaram a ameaçar o padre Marcelo, uma dos amigos mais próximos de Gugu, e o vice-prefeito de São Paulo na época, Hélio Bicudo.

Vítimas revoltadas

A resposta foi imediata. Datena, no Brasil Urgente (Band), se revoltou com o sensacionalismo de Gugu: "Silvio Santos, para mostrar um jornalismo rasteiro desse no programa do Gugu, não vale a pena ter jornalismo mesmo. Vai lá ver lá em casa como está minha família, com medo de sair, botar o nariz na rua!. Estou profundamente magoado, desiludido".

Rezende, que apresentava o Repórter Cidadão (RedeTV!), entrevistou Hélio Bicudo: "As pessoas que fazem ameaça cometem um crime. E aqueles que divulgam a ameaça, não cometem?", indagou o então vice-prefeito da capital paulista.

Caso de polícia

O material exibido no SBT virou caso de polícia. O Ministério Público do Estado de São Paulo abriu inquérito e pediu as fitas do programa, e o procurador-geral de Justiça, Luiz Antonio Guimarães Marrey, suspeitou de farsa: "Ambos os indivíduos, que disseram ter cumprido penas longas, não parecem ter linguagem de quem esteve anos no sistema prisional".

O secretário de Segurança Pública, Saulo Castro de Abreu, disse que Gugu "montou um personagem". Na época, a secretaria negava a existência do PCC: "Pegou uma situação que tomam por realidade, um negócio chamado PCC, que estava morto e enterrado em São Paulo, travestiu duas pessoas, colocou capuz, montou um personagem e aproveitou uma semana de debate sobre sequestro de autoridades, de atentado ao padre Marcelo".

Promotores levantaram a suspeita de que os bandidos eram ex-policiais que trabalhavam no SBT como seguranças. O Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais) apreendeu as fitas. O chefe de reportagem do Domingo Legal, Wagner Mafezolli, negou a farsa em depoimento ao Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Repressão ao Crime Organizado).

Gugu calado

Preocupado, Silvio Santos se reuniu com diretores temendo retaliações do governo. Orientado pelo SBT, Gugu permaneceu calado. Na mesma semana cancelou reuniões e passou a semana acompanhando o estado de saúde do pai, Augusto (internado com embolia), e da mãe, Maria do Céu, com diverticulite.

As retaliações começaram do bolso. A Petrobras cancelou uma megacampanha publicitária com Gugu (avaliada em R$ 1,7 milhão). O Domingo Legal, que faturava até R$ 750 mil, viu o montante cair para R$ 400 mil duas semanas após o escândalo do PCC.

O Ministério da Justiça advertiu o SBT, e o Tribunal de Justiça ordenou a saída do Domingo Legal do ar. Durante duas semanas, a emissora preencheu o horário com reprises do Programa do Ratinho, Grammy Latino e Troféu Imprensa.

Pedido de desculpas

Gugu finalmente se retratou em 15 de setembro, no programa de Hebe Camargo. De surpresa, ele pediu espaço à colega para pedir desculpas às personalidades ameaçadas pelos supostos bandidos do PCC e afirmou não ter visto o material antes de ir ao ar.

Hebe, que viu seu programa saltar de 10 para 19 pontos com a retratação de Gugu, também fez perguntas ao apresentador e lhe deu um conselho.

"Posso te dar um conselho como mãe? Não sofra tanto por um negócio de audiência, meu amor. Você tem o seu programa há tantos anos, é tão querido. Quando um programa dá dois ou três pontos a menos, você tem uma audiência magnífica. Não tem que sofrer por causa de dois, três pontos que o Faustão ganha. De repente, no outro domingo, o público acha que o seu programa está melhor", disse a apresentadora.

Na semana seguinte, Gugu prestou depoimento e responsabilizou o SBT pela exibição do material. Segundo o delegado Alberto Pereira Matheus, o apresentador admitiu ter pedido à produção do programa a realização de uma reportagem sobre ameaças do PCC ao padre Marcelo, mas negou ter visto a gravação antes da exibição.

A investigação policial confirmou a farsa, e o Ministério das Comunicações multou o SBT em R$ 1.792,53 pela falsa entrevista. Já Gugu nunca mais conseguiu manter a enorme audiência dos anos anteriores.

Televisão