PUBLICIDADE
Topo

Famosos

Clooney diz estar 'envergonhado' com decisão do caso de Breonna Taylor

O ator George Clooney se mostrou indignado com decisão do estado - Rodin Eckenroth/Getty Images/AFP
O ator George Clooney se mostrou indignado com decisão do estado Imagem: Rodin Eckenroth/Getty Images/AFP

Colaboração para o UOL, em São Paulo

23/09/2020 23h20

George Clooney se manifestou sobre a decisão judicial em que nenhum policial foi acusado pela morte de Breonna Taylor, nos Estados Unidos. Nascido no estado de Kentucky, o ator afirmou estar "envergonhado" com a sentença e os comentários do procurador-geral do estado, Daniel Cameron, que defendeu que não residentes devem manter as suas opiniões para si mesmos.

Em declaração obtida pela revista People, Clooney começou dirigindo-se à Cameron, que afirmou esta semana que "haverá celebridades, influenciadores e ativistas que nunca viveram em Kentucky que tentarão nos dizer como nos sentimos".

"Eu nasci e fui criado em Kentucky. Cortei tabaco nas fazendas de Kentucky. Meus pais e minha irmã moram em Kentucky. Tenho uma casa em Kentucky e estive lá no mês passado", disse o ator.

"O sistema judiciário no qual fui criado para acreditar responsabiliza as pessoas por suas ações. O nome dela era Breonna Taylor e ela foi morta a tiros em sua cama por três policiais brancos, que não serão acusados de nenhum crime por sua morte."

"Eu conheço a comunidade. E fui ensinado na escola e nas igrejas de Kentucky o que é certo e o que é errado. Tenho vergonha desta decisão", concluiu.

Breonna Taylor, de 26 anos, foi morta a tiros por policiais enquanto dormia no quarto de seu apartamento em Kentucky no dia 13 de março. A decisão do júri aconteceu hoje e nenhum dos três policiais envolvidos foram acusados do tiroteio fatal.

O ex-detetive Brett Hankison foi indiciado por perigo arbitrário no primeiro grau, um dos delitos menos graves de acordo com a legislação do Estado, e que pode acarretar em uma condenação de no máximo cinco anos na prisão. Entretanto, Cameron afirmou que "não há evidências conclusivas" de que as balas de Hankinson atingiram Taylor.

Hankinson foi despedido em maio depois de receber uma carta de rescisão dizendo que ele "desenfreadamente e cegamente" atirou 10 vezes no apartamento de Taylor.

A morte de Breonna Taylor atraiu indignação generalizada e o interesse por seu caso cresceu depois que o assassinato policial de George Floyd em 25 de maio ecoou o movimento "Black Lives Matter".

Celebridades como Beyoncé, Jennifer Lawrence, Oprah Winfrey, Viola Davis e Alicia Keys se manifestaram publicamente em torno do caso e pediram que os policiais fossem acusados.

Famosos