PUBLICIDADE
Topo

Mãe de Paulo Gustavo: "Chorei por mães na pandemia, sem saber que ele ia"

Dona Dea falou sobre a morte do filho, o ator Paulo Gustavo, durante o programa "Fantástico" - Reprodução/TV Globo
Dona Dea falou sobre a morte do filho, o ator Paulo Gustavo, durante o programa "Fantástico" Imagem: Reprodução/TV Globo

Do UOL, em São Paulo

09/05/2021 20h32Atualizada em 10/05/2021 18h07

Dona Dea Lúcia, mãe do ator e humorista Paulo Gustavo, se emocionou e fez desabafo ao falar pela primeira vez sobre a morte do filho, vítima de complicações da covid-19, durante entrevista concedida ao Fantástico, da TV Globo, na noite de hoje.

"Eu fiquei durante 53 dias rezando, pedindo a Deus que me desse força. A gente só espera que uma mãe vá na frente. Eu não estou bem, mas eu rio. Então, eu tenho que ter força (...) Na pandemia, cada morte de um filho eu chorava por essa mãe, sem saber que o meu filho ia por isso", disse ela, emocionada.

Paulo Gustavo morreu aos 42 anos, na última terça-feira (4), depois de ficar quase dois meses internado no Hospital Copa Star, no Rio, devido à covid-19. A notícia de sua morte mobilizou fãs —muitos deles em frente ao hospital— e também famosos, que prestaram homenagem ao humorista.

Durante a entrevista, Dona Dea também disse que o filho deixou exemplo contra o preconceito e a corrupção e fez desabafo ao afirmar, sem citar nomes, que "roubar na pandemia também é assassinato".

"Eu estou muito triste, mas o meu filho deixou um exemplo contra o preconceito. O meu filho casou, o meu filho teve filhos maravilhosos. Eu tenho dois netos maravilhosos. Mas isso porque ele tem uma família que segurou. Durante um ano, viajando pelo país, até as crianças nascerem, terminava o espetáculo dizendo que homofobia era crime e a corrupção mata. E roubar na pandemia é assassinato", ressaltou.

Maitê Proença elogiou a fala de Dea Lúcia: "Você é uma inspiração pra mim. Pra nós todas que somos mães e partilhamos da sua dor. Não vamos esmorecer no meio da batalha. Queremos saúde, exigimos vacinas! E que acabe a ladroeira dessa gente sem coração. Você é uma brava mulher".

Mônica Martelli também compartilhou o vídeo e desabafou: "Estou infinitamente triste, mas também revoltada".

O comediante foi intubado em 21 de março, após 8 dias de internação para combater a covid-19. Paulo Gustavo, no entanto, continuou a apresentar piora do quadro respiratório e, no dia 2 de abril, a equipe médica decidiu submetê-lo à terapia por ECMO (Oxigenação por Membrana Extracorpórea) na UTI, uma técnica também conhecida como pulmão artificial que auxilia na oxigenação do sangue.

Um dia antes da morte, ele tinha acordado e interagido com o marido, médico Thales Bretas, informaram os médicos. Porém, mais tarde, o ator teve uma embolia súbita que atingiu o sistema nervoso.