PUBLICIDADE
Topo

Na Record, Mariana Godoy chama live de Bolsonaro com mentiras de 'bizarra'

Mariana Godoy comentou as declarações infundadas de Jair Bolsonaro (sem partido) durante o "Fala Brasil" - Reprodução/Twitter
Mariana Godoy comentou as declarações infundadas de Jair Bolsonaro (sem partido) durante o "Fala Brasil" Imagem: Reprodução/Twitter

Do UOL, em São Paulo

30/07/2021 13h50Atualizada em 30/07/2021 16h24

A âncora do "Fala Brasil" (RecordTV), Mariana Godoy, chamou a live semanal do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), feita ontem, de "bizarra". O comentário foi durante o telejornal matutino da emissora do bispo Edir Macedo.

Antes de chamar a matéria em que mostrava Bolsonaro reciclando uma série de boatos já desmentidos, além de levantar suspeitas infundadas sobre os resultados de eleições anteriores, a apresentadora alcunhou a transmissão do presidente.

O presidente Jair Bolsonaro insistiu, durante uma live bizarra, que a urna eletrônica facilita fraudes nas eleições. Bolsonaro também criticou o presidente do tribunal Superior Eleitoral, ministro Barroso, contrário a proposta de um voto impresso. Mariana Godoy

O presidente voltou a mentir na live ontem, já que nunca houve fraude comprovada nas eleições brasileiras desde a adoção da urna eletrônica. há mais de um ano ele promete entregar provas das alegadas fraudes, mas Bolsonaro nunca as apresentou.

O UOL Confere checou as declarações feitas pelo presidente ontem.

Seguidores recuperaram uma entrevista que Mariana fez em 2017, ainda na RedeTV!. A jornalista conversou com ex-deputado Protógenes Queiroz na Suiça. Ele alegava, sem fundamentos, ter havido fraude na eleição de 2014, quando ele perdeu a reeleição. Contudo ,Queiroz nunca provou que as urnas eletrônicas foram fraudadas.

A suposta fraude foi denunciada e o caso foi investigado pela Procuradoria-Geral Eleitoral de São Paulo e pelo Ministério Público Federal. Não foi constatada nenhum erro e a investigação foi arquivada em 2015, dois anos antes das declarações. O próprio MPF explicou que não foram encontradas irregularidades e reafirmou a segurança das urnas eletrônicas.

Mariana Godoy já criticou a postura do governo federal sobre as vacinas contra a covid-19. Em maio, ela alfinetou Bolsonaro, o então ministro da Saúde Eduardo Pazuello e as recusas de emails enviados pela farmacêutica Pfizer.

O presidente diz que não tem vacina no mundo para comprar. Não tem porque o Brasil não encomendou. E quando a própria Pfizer ofereceu, lá no ano passado, o Brasil recusou. E o Brasil tivesse feito o pedido no ano passado, junto com os outros países, ninguém precisaria hoje pedir por vacina. Vacina não é pãozinho, não sai de hora em hora na padaria da esquina. Quem quer mesmo tem que encomendar, isso é planejamento, é isso que se tem que fazer, em acordo com todos os estados. Mariana Godoy

A emissora em que Mariana Godoy trabalha atualmente já minimizou protestos antidemocráticos que Bolsonaro apoiou e participou no ano passado. Este ano, a Record noticiou as manifestações de maio contra o presidente e a favor das vacinas sem mencionar o nome de Bolsonaro, alvo dos manifestantes.

Em 2018, Edir Macedo, líder da Igreja Universal e dono da RecordTV, declarou apoio ao então candidato Jair Bolsonaro.

No ano seguinte, Bolsonaro visitou o Templo de Salomão da igreja e foi "abençoado" por Edir Macedo.

Recentemente, o presidente escalou o vice, Hamilton Mourão, para visitar Angola. O país abriu uma crise com lideranças brasileiras da IURD. Fundada e liderada por Edir Macedo, a Universal é um dos polos de apoio ao governo de Jair Bolsonaro.

O presidente de Angola, João Lourenço, recusou o pedido de receber uma delegação ligada á Universal no dia 21. A missão era liderada pelo deputado Marcos Pereira (Republicanos), bispo licenciado da igreja.

Em abril, o governo angolano suspendeu as atividades da RecordTV ÁFrica no país, afiliada da Record, após o ministério das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social do país apontar irregularidades com a legislação local.

Nesta semana, o Grupo Record anunciou mudanças no jornalismo. Augusto Nunes não é mais o diretor de redação do portal R7 e não apresentará mais o "Jornal da Record News" por decisão que partiu dele. Nunes seguirá desempenhando a função de comentarista do "Jornal da Record".