Topo

Top 10: Os melhores de 2012 na TV

Mauricio Stycer

26/12/2012 16h00

Listas de melhores e piores são sempre muito pessoais, carregadas de subjetividade. As minhas não são diferentes. Por isso, ao apresentar abaixo o meu Top 10 com os melhores do ano na televisão aberta, terei o maior prazer em acolher os comentários e observações dos leitores, apontando as injustiças das minhas escolhas e me lembrando do que esqueci. Ainda esta semana publicarei a lista com os piores.

Cheias de Charme: O conflito entre patroas e empregadas já havia aparecido em outras novelas, mas Filipe Miguez e Izabel de Oliveira foram felizes na escolha do universo da música brega como pano de fundo e no tratamento dado ao tema, próximo de uma história infantil. Com ótimos personagens, em especial a vilã Chayene e o trio de empreguetes, elenco afiado e sintonia com outras mídias, a novela renovou o gênero.

Humor na MTV: Em diferentes momentos do ano, os programas "Comédia Ao Vivo", "Furo" e "Trolalá" fizeram humor de qualidade, sem se dobrar ao apelo da grosseria e da ofensa. O melhor de todos foi "Indiretas Já", versão atualizada de "Roda Viva", de Chico Buarque, escrita por Marcelo Adnet, que traça um retrato crítico da televisão brasileira atual. Igualmente genial foi a piada com a situação da própria MTV, feita por Paulinho Serra.

Avenida Brasil: A novela de João Emanuel Carneiro foi o assunto do ano. Em torno de um tema batido, o da vingança, o melodrama seduziu com um retrato colorido de um subúrbio carioca (o Divino), uma vilã de gestos extremos (Carminha), ritmo de seriado policial, direção moderna e elenco muito à vontade, tanto entre veteranos (Marcos Caruso, José de Abreu, Murilo Benício) quanto entre rostos menos conhecidos (Cacau Protasio, Claudia Missura). Curiosamente, apesar da notável repercussão, "Avenida Brasil" não superou a audiência da novela anterior, "Fina Estampa", de Aguinaldo Silva.

Jogos Olímpicos: Um ano depois dos problemas enfrentados em Guadalajara (Jogos Pan-Americanos), a Record saiu-se muito bem na transmissão do evento esportivo mais importante que já exibiu com um bom time de narradores, uma equipe forte de reportagem e alguns comentaristas de qualidade. Gafes e erros acontecem e fazem a alegria do espectador, mas não comprometeram o resultado geral. Pena que a emissora não tenha dado continuidade ao projeto esportivo.

Jornal do Boris: Apesar da grande expectativa, o "Pânico" pouco mudou ao trocar a RedeTV! pela Band, mantendo as mesmas qualidades e defeitos que fizeram a sua fama. Uma novidade, porém, marcou o ano: a imitação do jornalista Boris Casoy feita pelo humorista Marvio Lucio, o Carioca. O programa, no entanto, chegou ao fim do ano dando claros sinais de que precisa se renovar.

Minisséries e seriados: Entre as novidades exibidas em 2012 na TV aberta, destaco quatro programas. "Dercy de Verdade", de Maria Adelaide Amaral, conseguiu resumir a carreira da atriz em quatro episódios e deixou um gosto de quero mais. Com texto de ótima qualidade, "Brado Retumbante", de Euclydes Marinho, contou a história de um presidente intransigente com a corrupção. Já "Suburbia", de Luiz Fernando Carvalho, apostou num olhar sem glamour, mas poético, em direção à vida na periferia do Rio. Por fim, "Fora de Controle", de Marcilio Moraes, mostrou mais uma vez que a TV brasileira sabe desenvolver boas séries policiais.

Lado a Lado: Tradição no horário das 18h, a "novela de época" voltou à grade da Globo pela mão de dois autores estreantes, João Ximenes Braga e Claudia Lage. Ambientado num período muito rico e inspirador, o Rio de Janeiro nos primeiros anos do século 20, o melodrama vem discutindo temas importantes, como a emancipação da mulher e a luta pelos direitos dos negros, mas não conseguiu os esperados índices de audiência. Uma pena.

Carrossel: O maior sucesso de audiência fora da Globo em 2012 foi uma nova versão desta novela mexicana muito simples, exibida no Brasil em 1991. Adaptada por Iris Abravanel, mulher de Silvio Santos, o melodrama infantil não apresenta nada de novo, mas mostra o talento do SBT em encontrar nichos no mercado e entender o que o seu público deseja ver na televisão. Não é pouca coisa.

Rei Davi: Incluo a terceira série bíblica da Record nesta lista por um critério semelhante ao adotado no caso de "Carrossel". Superprodução salpicada de efeitos especiais, grande elenco e exageros dramáticos, a série não me agradou muito , mas reconheço que a emissora encontrou um filão que não vinha sendo explorado. O programa se mostrou capaz de dialogar com um público amplo, para além das segundas intenções religiosas que parecem motivar a sua produção.

Na Moral: Pedro Bial ganhou, enfim, a sonhada atração destinada a mostrar que seus talentos vão além da apresentação do "BBB". Espécie de programa de auditório em fim de noite, "Na Moral" começou confuso, com problemas de edição, mas acabou encontrando um caminho e teve momentos marcantes, como um debate sobre invasão de privacidade e a encenação de um casamento entre duas mulheres.

Em tempo: Na semana que antecedeu o Natal, registrei aqui no blog duas outras retrospectivas, uma com as 10 personalidades que, por seus méritos ou escorregadas, brilharam em 2012. E outra com os 15 momentos mais inesperados, ousados e bizarros da televisão no ano.

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

Mauricio Stycer