PUBLICIDADE
Topo

Globo e CNN repudiam ataque de Bolsonaro a repórter de afiliada

Do UOL, em São Paulo

21/06/2021 17h48Atualizada em 21/06/2021 22h26

A TV Globo, sua afiliada TV Vanguarda — da região do Vale do Paraíba (SP) — e a CNN Brasil repudiaram hoje o ataque do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) à repórter Laurene Santos.

Em nota enviada ao UOL, a Globo afirmou que Bolsonaro não impedirá o trabalho da imprensa com gritos ou intolerância.

A Globo e a TV Vanguarda repudiam o tratamento dado pelo presidente à repórter Laurene Santos, que cumpria apenas o seu dever profissional. Não será com gritos nem intolerância que o presidente impedirá ou inibirá o trabalho da imprensa no Brasil. Esta, ao contrário dele, seguirá cumprindo o seu papel com serenidade. À Laurene Santos, a irrestrita solidariedade da Globo e da TV Vanguarda. Diz o texto.

O posicionamento da emissora carioca foi lido ao vivo pela jornalista Christiane Pelajo, na GloboNews, e depois por William Bonner, no "Jornal Nacional". Antes, ambos ressaltaram que Laurene Santos perguntou por que o presidente chegou sem máscara ao local após ser multado em São Paulo por este motivo.

"Laurene tentou explicar que o uso da máscara é exigência de lei. Descontrolado, Bolsonaro mandou a repórter calar a boca e insultou a Globo com palavrões", disse Pelajo antes do comunicado.

Durante a edição de hoje do "CNN 360", a apresentadora Daniela Lima falou em nome da emissora, criticou a escalada do presidente contra a imprensa e afirmou que ele segue insistindo em dados que são falsos.

Confira a fala da jornalista na íntegra:

O presidente Jair Bolsonaro fez agressões a uma repórter da TV Globo, agressões à impressa de um modo geral, como foi permeando ali a sua fala, de novo a favor de cloroquina, hidroxicloroquina, ivermectina — medicamentos que nem as fabricantes dizem que funcionam pra covid-19. O presidente segue na escalada retórica, segue insistindo em dados que são falsos. O documento do TCU atestado hipertrofia de mortes é falso. Quem dá o número que a gente usa todos os dias é o próprio Ministério da Saúde. É essa escalada do presidente contra a imprensa, contra a jornalista TV Globo que a gente repudia.

Associações se manifestam

Entidades jornalísticas também manifestaram repúdio às agressões verbais de Bolsonaro contra Laurene Santos. A ABI (Associação Brasileira de Imprensa) chamou o presidente de "perturbado" e "descontrolado" e reiterou sua posição a favor de seu afastamento do cargo.

"Com seu destempero, Bolsonaro mostrou ter sentido profundamente o golpe representado pelas manifestações do último sábado [19]", disse em nota Paulo Jeronimo, presidente da ABI. "Diante desse quadro, com a autoridade de seus 113 anos de luta pela democracia, a ABI reitera sua posição a favor do impeachment do presidente. E reafirma que, decididamente, ele não tem condições de governar o Brasil."

Já a Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo) lembrou outros ataques de Bolsonaro a jornalistas — como a vez em que ele disse ter vontade de encher um repórter do jornal O Globo de "porrada" — e prestou solidariedade à funcionária da TV Vanguarda.

"[A Abraji] Condena não apenas a atitude de Bolsonaro, mas a de todos aqueles que participaram da entrevista, como o prefeito de Guaratinguetá, Marcus Soliva (PSC), e a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), que também seguiu o presidente e retirou a máscara. Jair Bolsonaro demonstrou mais uma vez seu desrespeito pela liberdade de imprensa, pela saúde pública, pela democracia e até mesmo pelas normas mais básicas de civilidade e etiqueta — um comportamento incompatível com o cargo máximo da República", defendeu a entidade.

Entenda o caso

Bolsonaro se irritou com uma pergunta de Laurene Santos voltou a fazer ataques à emissora, que chamou de "canalha". Ele foi questionado por que não usava máscara quando chegou para cumprir agenda em Guaratinguetá (SP), e, aparentemente nervoso, mandou a jornalista "calar a boca".

"Para de tocar no assunto. Você quer botar... Me botem. Vai botar agora? Estou sem máscara em Guaratinguetá. Está feliz agora? Você está feliz agora? Essa Globo é uma m... de imprensa! Vocês são uma porcaria de imprensa! Cala a boca!", reagiu Bolsonaro contra a repórter Laurene Santos.

Vocês são uns canalhas! Vocês fazem um jornalismo canalha! Canalhas que não ajudam em nada, vocês não ajudam em nada. Vocês destroem a família brasileira, destroem a religião brasileira. Vocês não prestam! A Rede Globo não presta! É um péssimo órgão de informação. (...) Você [Laurene] tinha que ter vergonha na cara em se prestar a um serviço porco que é esse que você faz na Rede Globo.
Jair Bolsonaro, à repórter da Rede Vanguarda

O presidente também fez críticas à CNN Brasil por supostamente "elogiar" as manifestações contra o governo ocorridas no último fim de semana, em diversas cidades do país. "Jogaram fogos de artifício em cima de vocês e vocês elogiaram ainda", afirmou, em referência ao caso do repórter Pedro Duran, alvo de agressões durante ato bolsonarista no Rio de Janeiro, em 23 de maio.

No posicionamento lido por Daniela Lima, a CNN reforça que Duran identificou o autor das agressões e afirmou que ele foi um evento isolado, uma vez que o protesto seguiu pacífico.