Topo

Coluna

Mauricio Stycer


Relação de Silvio Santos com Gugu pode explicar omissão do SBT em velório

Gugu com Silvio Santos no Roletrando - Moacyr dos Santos/SBT
Gugu com Silvio Santos no Roletrando Imagem: Moacyr dos Santos/SBT
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer

Mauricio Stycer é jornalista desde 1985. Repórter e crítico do UOL, colunista da Folha de S.Paulo, passou por Jornal do Brasil, Estadão, Folha, Lance!, Época, CartaCapital, Glamurama Editora e iG. É autor de "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018).

Colunista do UOL

29/11/2019 14h40

As relações de Gugu Liberato com Silvio Santos, a família Abravanel e o SBT voltaram à pauta, depois de dez anos, no velório do apresentador, realizado entre quinta (28) e sexta-feira (29) na Assembleia Legislativa de São Paulo. Vários fatos chamaram a atenção.

1. Silvio mandou uma coroa de flores ("Condolências de Silvio Santos"), mas não compareceu à cerimônia.

2. O SBT fez uma cobertura discreta do velório - a mais tímida entre todas as emissoras de TV abertas. Não alterou a sua programação em momento algum e determinou que o seu programa sobre celebridades, o "Fofocalizando", não falasse do assunto.

3. Apenas as filhas do primeiro casamento de Silvio, Cíntia e Silvia, foram ao velório. A primogênita foi acompanhada de seu filho, Tiago. Silvia falou do pai em entrevista à Record: "Eu não estava no Brasil [quando falaram para ele sobre a morte de Gugu], mas eu estava me comunicando com as minhas irmãs e elas falavam: 'O papai está forte'. O meu pai é um homem forte, os sentimentos dele são internos."

4. É mentira que a família de Gugu tenha pedido que emissoras de televisão não mostrassem o velório e o enterro do apresentador. Diferentemente do que disse nas redes sociais a apresentadora do "Fofocalizando", Lívia Andrade, a assessoria de Gugu apenas pediu respeito às emissoras na cobertura - e todas trataram do assunto com respeito. Se houve algum veto, não foi da família.

As relações de Gugu com o "planeta SBT" ficaram abaladas em junho de 2009, quando o apresentador assinou contrato com a Record. O episódio foi tenso, gerou inúmeros ressentimentos e provocou uma pequena guerra entre as duas emissoras. Pouco depois, coincidência ou não, a emissora de Silvio Santos tirou da concorrente Eliana, Roberto Justus e Roberto Cabrini.

Em 25 de junho de 2009, foram divulgados detalhes do acerto entre Gugu e a Record. Soube-se, então, que ele havia decidido respeitar o seu compromisso com o SBT, que só vencia em 31 de março de 2010. O jornalista Daniel Castro registrou em sua coluna na Folha que a atitude surpreendeu a Record e a sua própria equipe. A Record chegou a se comprometer a pagar a multa rescisória, de R$ 9 milhões, mas Gugu argumentou que estava no SBT há mais de 30 anos e que queria sair pela "porta da frente".

O SBT respondeu no dia 28 de junho, anunciando que o horário do programa "Domingo Legal", apresentado por Gugu, seria mudado das 18h para as 12h. Uma semana depois, em nota à imprensa, a assessoria da emissora de Silvio Santos assegurou que a mudança não havia sido uma "retaliação ao apresentador por ter assinado contrato com uma emissora nove meses antes do compromisso firmado com o SBT". De acordo com o comunicado, "a alteração foi motivada exclusivamente por critérios de planejamento e estratégia de programação" e que "o contrato com o apresentador prevê flexibilidade no horário da atração".

No dia 6 de julho, Daniel Castro registrou em sua coluna que, na avaliação da "cúpula do SBT", o gesto de Gugu de prometer cumprir seu contrato até o fim foi entendido como estratégia de marketing. "A cúpula do SBT concluiu que Gugu Liberato fez de propósito o papel de vítima, preservando sua imagem de bom-moço, no episódio de sua troca de emissora. Avalia-se que Silvio Santos, injustamente, ficou com o papel de vilão, principalmente por ter mudado o horário do Domingo Legal", escreveu o jornalista.

Como lembrou o colunista Flavio Ricco no podcast UOL Vê TV (veja abaixo), quem estava na cúpula do SBT naquele momento era Daniela Beyruti, a primeira das quatro filhas do casamento de Silvio com Íris Abravanel.

Em 8 de julho de 2009, Daniel Castro contou na Folha que dois dias antes Silvio e Gugu se encontraram pela primeira vez desde a notícia da assinatura do contrato com a Record. A reunião "selou um acordo em que Silvio Santos dispensou Gugu de cumprir todo o contrato, que venceria em março de 2010, sem cobrança de multa". Segundo a assessoria do SBT, registrou a coluna na Folha, "Silvio Santos liberou Gugu em consideração aos 35 anos de parceria".

Em julho de 2015, seis anos após a saída de Gugu do SBT, Silvia Abravanel foi entrevistada por Eliana e comentou o assunto: "[Tenho] ressentimento, mágoa, pelas atitudes que ele teve principalmente com o meu pai. Ele saiu pela porta [do SBT] sem ao menos dar um tchau. Isso me magoou muito, porque eu conheci o Gugu quando eu tinha 15 anos, ele tinha uns 27, no casamento do meu pai, dentro da nossa casa. Ele não era nem famoso, não era praticamente nada. E o meu pai foi ensinando, foi apoiando, dando todo o apoio, e fazendo dele um apresentador. E foi embora do SBT para outra emissora sem dar tchau".

Gugu e Silvio eram amigos? Também em julho de 2015, Gugu foi entrevistado pelo TV Fama e o repórter Thiago Rocha levantou este assunto. "Quando a gente fala em amizade, não dá pra não falar de uma amizade sua com Silvio Santos. Você ficou 30 anos trabalhando com ele". Gugu o interrompeu e disse. "O Silvio só tem um amigo, que se chama Jassa (o cabeleireiro do apresentador). Isso dito por ele, Silvio Santos. Ele falou várias vezes. 'Eu só tenho um amigo e o nome desse amigo é Jassa'".

Em 2018, Gugu presenteou Silvio com uma estátua de cera em tamanho real. Na ocasião, o colunista Flavio Ricco, que conheceu muito bem Gugu, escreveu: "Além de ser alguém com quem trabalhou por muito tempo, Gugu tem por SS enorme admiração. E gratidão. A relação entre Silvio e Gugu, mesmo em emissoras diferentes, sempre foi das mais respeitosas". Silvio foi à casa de Gugu, em Aldeia da Serra, para receber o presente.

Ainda há muito a ser contado sobre a relação de Gugu Liberato com Silvio, sua família e o SBT, mas estas lembranças ajudam a recordar que a ruptura ocorrida dez anos atrás foi muito tensa e gerou ressentimentos e mal-entendidos.

* * *
Ouça o podcast UOL Vê TV, a mesa-redonda sobre televisão com os colunistas Chico Barney, Flávio Ricco e Mauricio Stycer. Os podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas de áudio.

Siga a coluna no Facebook e no Twitter.

Mauricio Stycer