PUBLICIDADE
Topo

Felipe Neto: 'Onde se aprendeu que é crime chamar Bolsonaro de genocida?'

O youtuber Felipe Neto - Reprodução/Instagram @felipeneto
O youtuber Felipe Neto Imagem: Reprodução/Instagram @felipeneto

Do UOL, em São Paulo

13/07/2021 20h38

Felipe Neto discutiu sobre a liberdade de expressão no governo de Jair Bolsonaro (sem partido). Em live promovida pela organização Open Society Brasil, o youtuber relembrou os ataques sofridos por chamar o presidente de genocida nas redes sociais.

Não é crime e eu fui processado criminalmente. Abriram um inquérito contra mim e ele foi arquivado. Onde se aprendeu que é crime chamar o Bolsonaro de genocida? Quem te falou isso? Essa é a forma das pessoas serem doutrinadas. E eles ainda falam que o PT doutrinava as pessoas.
Felipe Neto

Na sequência da transmissão ao vivo, Felipe reforça que foram várias as tentativas de "cerceamento da liberdade de expressão" nos últimos anos e lamentou a disseminação de informações falsas nos aplicativos de mensagens.

Deveríamos estar em algo complexo, mas nunca conseguimos sair do raso. Já fiz tantas lives, estou acostumado. Deve ter um monte de 'bolsominion' perguntando de Cuba. Eles aprendem no WhatsApp. Existe um curso para formar 'soldadinhos' digitais, que nada mais são do que gados no pasto. Eles são ordenados a vomitar as burrices que consomem. Eles não se interessam em aprender.

"Eu não tenho solução para isso. Eu faço vídeo de Minecraft. Sou o palhaço do YouTube. Estou aqui para falar dos assuntos como um cidadão brasileiro com muitos seguidores", completou o youtuber.

Críticas ao governo

Felipe Neto, que critica Jair Bolsonaro com frequência nas redes sociais, afirmou que o governo é despreparado para traçar estratégias, mas seguiu um "caminho contrário" para ele continuar ganhando força no cenário digital.

Eles perceberam que quanto mais impedirmos que conteúdos sejam tirados do ar, mais eles vão dominar. Lutam no sentido contrário. Querem proibir as plataformas de se apagar qualquer coisa. Jair Bolsonaro luta pela liberdade das pessoas cometerem crimes. Ele quer um decreto para sustentar as narrativas mentirosas e viabilizar ataques. É melhor um ambiente ultra liberal do que um ambiente que tenha regras. Se isso acontecer, estamos falando do caos digital.

O youtuber reforçou que o público criticou a regulamentação da mídia, discutida em governos anteriores, sem conhecer as propostas e ressaltou que a população indígena está "desprotegida" com o atual gerenciamento do país.

Muita gente não faz ideia de que virou massa de manobra. Eles invadem ambientes de diálogo justamente para acabar com ele. Tudo bem falar de Cuba, mas por que não criticar o Haiti, a Arábia Saudita? Lá as mulheres só ganharam o direito de dirigir há 3 anos. É uma 'imbecilização' através de mecanismos da liberdade de expressão. Como todos chegaram ao mesmo discurso?

Felipe Neto participou da live acompanhado dos advogados Pedro Abramovay, Thiago Amparo e da jornalista Bianca Santana.

Durante a última quinta-feira (8), o youtuber usou as redes sociais para comemorar o recorde de rejeição de 51% do trabalho de Jair Bolsonaro como presidente do Brasil. Os dados foram divulgados pela pesquisa do Datafolha.