PUBLICIDADE
Topo

Mario Frias rebate críticas de Emicida: 'Falar, até papagaio fala'

O secretário especial da Cultura, Mário Frias, durante cerimônia - Mateus Bonomi/AGIF/Estadão Conteúdo
O secretário especial da Cultura, Mário Frias, durante cerimônia Imagem: Mateus Bonomi/AGIF/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

22/07/2021 12h48

Mario Frias, secretário especial de Cultura do governo federal, reagiu às críticas que recebeu de Emicida sobre sua fala racista ao dizer que o historiador negro Jones Manoel "precisa de um bom banho".

A resposta veio depois de o rapper comentar o ocorrido em conversa com Zeca Camargo no "Splash Entrevista", para o Canal UOL.

Falar, meus caros, até papagaio fala. Se bem que, esse está mais pra realejo, porque, antes de falar, tem que depositar a moedinha. escreveu o secretário em publicação no Twitter

Emicida avaliou a fala preconceituosa do secretário da Cultura e classificou Mario Frias como "insignificante".

Entende que a gente está tratando de personagens muito medíocres, perto de um tema muito grandioso? Eu não consigo nem conectar uma linha de raciocínio para explicar o tamanho do erro. disse Emicida

Entenda o caso

Mario Frias fez uma comparação racista ao dizer que o professor e historiador negro Jones Manoel "precisa de um bom banho".

A fala foi feita via Twitter após o militante do PCB (Partido Comunista Brasileiro) e podcaster, que é abertamente crítico do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), usar as redes sociais para dizer que "já tinha comprado fogos" com a notícia de que o presidente seria transferido do Distrito Federal a São Paulo.

A plataforma removeu a postagem do secretário especial de Cultura por violar as regras. Em nota ao UOL, o Twitter afirmou que "tem regras que determinam os conteúdos e comportamentos permitidos na plataforma, e violações a essas regras estão sujeitas às medidas cabíveis".

Depois disso, Frias afirmou que sempre repudiou o racismo. Já Jones Manoel disse que o comentário não causou surpresa e que dará seguimento ao caso, acionando o secretário judicialmente.