PUBLICIDADE
Topo

Latino repassa lucros de música com DJ Ivis para Pamella: 'Pra se reerguer'

Domingo Legal: Latino fala de projeto com DJ Ivis - Reprodução/SBT
Domingo Legal: Latino fala de projeto com DJ Ivis Imagem: Reprodução/SBT

Colaboração para o UOL, em São Paulo

26/07/2021 20h22Atualizada em 26/07/2021 21h07

O cantor Latino, de 48 anos, cancelou o videoclipe com participação de DJ Ivis, devido ao caso de agressão contra Pamella Holanda, mas decidiu refazer o clipe e irá doar parte dos lucros do trabalho para ajudar a ex-mulher do artista a se reerguer.

Em participação no "Domingo Legal", do SBT, Latino declarou que a atitude de DJ Ivis é 'inaceitável' e o caso de agressão o deixou bem chateado ao ponto de decidir pelo fim do clipe em parceria com o DJ.

É inaceitável, né. Tem coisas que dá para tolerar, mas tem coisas que são intoleráveis. A gente repudia veementemente esse tipo de conduta. Com todo o respeito que eu tenho ao Ivis, que é genial como profissional, que sabe o que faz, mas tem coisas que são inaceitáveis. Eu fiquei muito chateado com aquilo. Falei: 'vamos refazer, é inaceitável'.

Latino afirmou que a música, que será refeita, irá ser lançada no próximo dia 6 de agosto e terá ele, Dennis DJ, Rogerinho e agora Pamella como sócios. Assim, os lucros serão divididos entre os quatro. A ideia de incluir a ex-mulher de Ivis é para auxiliá-la financeiramente na reconstrução de sua vida.

"A ex-mulher dele, a Pamella, sofreu essa situação. Então, a gente, decidiu ceder a parte do Ivis pro sustento do filho da Pamella. É pra ela tentar se reerguer, uma atitude que a gente teve de forma muito altruísta e de poder colaborar com a situação dela", finalizou.

Entenda o caso

1 - Reprodução / Instagram - Reprodução / Instagram
Vídeo mostra DJ Ivis agredindo mulher
Imagem: Reprodução / Instagram

No dia 11 de julho, Pamella Gomes de Holanda, companheira de Iverson, o DJ Ivis, compartilhou nas suas redes sociais uma série de vídeos que mostram o artista a atacando com tapas, socos e chutes. Também via Instagram, ele confessou as agressões, mas disse que é vítima de uma chantagem.

Os trechos divulgados por Pamella foram feitos, segundo ela, na residência do casal, em datas diferentes. O UOL assistiu aos vídeos, mas por conta do teor violento não iremos compartilhá-los. Em certo momento, Ivis agride a mulher com ela próxima ou até mesmo segurando a filha Mel, de nove meses.

Assumindo a culpa

Minutos antes de ser preso, DJ Ivis gravou um vídeo em que deixa as justificativas de lado e assumiu o erro. "Estou errado mesmo. Peço perdão a cada um de vocês. Nada vai mudar o que eu fiz. Tentei ser perfeito e não consegui. Não quero mudar o que eu fiz, mas quero mostrar que também sou humano", declarou.

Consequências das agressões

Além da prisão, DJ Ivis foi afastado da produtora que trabalhava e teve o contrato rescindido com a gravadora Sony Music Brasil. A Som Livre suspendeu todos os lançamentos das músicas do artista e bloqueou exibição das faixas que estavam no ar.

Pamella Holanda conseguiu medidas protetivas contra o músico e também entrou na Justiça para impedir que o artista e seus representantes façam movimentações financeiras sem seu consentimento.

Ao presenciar um episódio de agressão contra mulheres, ligue para 190 e denuncie.

Casos de violência doméstica são, na maior parte das vezes, cometidos por parceiros ou ex-companheiros das mulheres, mas a Lei Maria da Penha também pode ser aplicada em agressões cometidas por familiares.

Também é possível realizar denúncias pelo número 180 — a Central de Atendimento à Mulher, que funciona em todo o país e no exterior, 24 horas por dia. A ligação é gratuita. O serviço recebe denúncias, dá orientação de especialistas e faz encaminhamento para serviços de proteção e auxílio psicológico. O contato também pode ser feito pelo WhatsApp no número (61) 99656-5008.

A denúncia também pode ser feita pelo Disque 100, que apura violações aos direitos humanos.

Há ainda o aplicativo Direitos Humanos Brasil e a página da Ouvidoria Nacional de Diretos Humanos (ONDH) do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH). Vítimas de violência doméstica podem fazer a denúncia em até seis meses.

Caso esteja se sentindo em risco, a vítima pode solicitar uma medida protetiva de urgência.