PUBLICIDADE
Topo

Latino explica lucros cedidos à Pamella Holanda: 'Divido com quem eu quero'

Latino repassa lucro de música com DJ Ivis para Pamella Holanda - Reprodução/Instagram
Latino repassa lucro de música com DJ Ivis para Pamella Holanda Imagem: Reprodução/Instagram

Colaboração para o UOL, em São Paulo

27/07/2021 18h13Atualizada em 27/07/2021 18h17

Latino, de 48 anos, tomou conhecimento de críticas sobre a decisão de compartilhar os lucros do clipe que teria participação de DJ Ivis com sua ex-mulher, Pamella Holanda, e se manifestou, na tarde de hoje, para deixar claro que a escolha de ceder o dinheiro não precisa do aval de ninguém.

Por meio do Instagram, o cantor reclamou de 'muito mimimi' sobre a sua decisão e explicou as diferenças entre direitos fonomecânicos e autorais para avisar que divide o dinheiro com quem quiser por ser dono do trabalho.

"Gente, deixa eu fazer uma explicação com relação aos direitos que eu cedi pra Pamella, que gerou um monte de mimimi na internet. Existe uma diferença muito grande entre direitos fonomecânicos e direitos autorais. Os direitos autorais da música, que também é minha e compartilhei com outros parceiros, , são autorais. Os direitos fonomecânicos são os das plataformas digitais, da execução da música, entendeu? É importante saberem a diferença", declarou.

Conversa de Latino e Pamella no Instagram - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Conversa de Latino e Pamella no Instagram
Imagem: Reprodução/Instagram

"O Ivis não era dono dessa música. Eu sou dono do autoral e do fonomecânico. Portanto, eu divido com quem eu quero. Tá certo? Só pra deixar bem claro. Tem muita gente leiga", completou.

Já nos stories, o artista revelou que a quantia que será destinada a Pamella é fruto de um acordo com DJ Ivis antes de sua prisão por violência doméstica. Ou seja, o acordo foi mantido e o valor será repassado para ajudar Pamella a se reerguer.

Gente, esqueci de falar pra vocês que a Pamella Holanda, finalmente, respondeu os meus stories e estou muito feliz. Ela tá muito grata por a gente ter envolvido ela na música, ter cedido o percentual pra ela. Eu lembro, exatamente, o dia que eu tava tomando café da manhã e minha secretária falou: 'meu, que chato que o aconteceu, né'. Falei: 'poxa, nem me fala. Clipe, música e as ações tudo pronto. O que a gente vai fazer?'. Aí, ela chegou e falou: 'meu, como ela [Pamella] vai sustentar o filho dela agora que o marido tá preso'. Olhei pra ela e falei: 'putz, já sei o que vou fazer. Vou doar o percentual dele pra ela. Foi assim, do nada. Senti que Deus iluminou naquele momento.

"Pra tentar se reerguer"

Em participação no "Domingo Legal", do SBT, no último domingo (25), Latino declarou que a atitude de DJ Ivis é 'inaceitável' e o caso de agressão o deixou bem chateado ao ponto de decidir pelo fim do clipe em parceria com o DJ.

É inaceitável, né. Tem coisas que dá para tolerar, mas tem coisas que são intoleráveis. A gente repudia veementemente esse tipo de conduta. Com todo o respeito que eu tenho ao Ivis, que é genial como profissional, que sabe o que faz, mas tem coisas que são inaceitáveis. Eu fiquei muito chateado com aquilo. Falei: 'vamos refazer, é inaceitável'.

Latino afirmou que a música irá ser lançada no próximo dia 6 de agosto e terá ele, Dennis DJ, Rogerinho e agora Pamella como sócios. Assim, os lucros serão divididos entre os quatro. A ideia de incluir a ex-mulher de Ivis é para auxiliá-la financeiramente na reconstrução de sua vida.

"A ex-mulher dele, a Pamella, sofreu essa situação. Então, a gente, decidiu ceder a parte do Ivis pro sustento do filho da Pamella. É pra ela tentar se reerguer, uma atitude que a gente teve de forma muito altruísta e de poder colaborar com a situação dela", finalizou.

Entenda o caso

1 - Reprodução / Instagram - Reprodução / Instagram
Vídeo mostra DJ Ivis agredindo mulher
Imagem: Reprodução / Instagram

No dia 11 de julho, Pamella Gomes de Holanda, companheira de Iverson, o DJ Ivis, compartilhou nas suas redes sociais uma série de vídeos que mostram o artista a atacando com tapas, socos e chutes. Também via Instagram, ele confessou as agressões, mas disse que é vítima de uma chantagem.

Os trechos divulgados por Pamella foram feitos, segundo ela, na residência do casal, em datas diferentes. O UOL assistiu aos vídeos, mas por conta do teor violento não iremos compartilhá-los. Em certo momento, Ivis agride a mulher com ela próxima ou até mesmo segurando a filha Mel, de nove meses.

Assumindo a culpa

Minutos antes de ser preso, DJ Ivis gravou um vídeo em que deixa as justificativas de lado e assumiu o erro. "Estou errado mesmo. Peço perdão a cada um de vocês. Nada vai mudar o que eu fiz. Tentei ser perfeito e não consegui. Não quero mudar o que eu fiz, mas quero mostrar que também sou humano", declarou.

Consequências das agressões

Além da prisão, DJ Ivis foi afastado da produtora que trabalhava e teve o contrato rescindido com a gravadora Sony Music Brasil. A Som Livre suspendeu todos os lançamentos das músicas do artista e bloqueou exibição das faixas que estavam no ar.

Pamella Holanda conseguiu medidas protetivas contra o músico e também entrou na Justiça para impedir que o artista e seus representantes façam movimentações financeiras sem seu consentimento.

Ao presenciar um episódio de agressão contra mulheres, ligue para 190 e denuncie.

Casos de violência doméstica são, na maior parte das vezes, cometidos por parceiros ou ex-companheiros das mulheres, mas a Lei Maria da Penha também pode ser aplicada em agressões cometidas por familiares.

Também é possível realizar denúncias pelo número 180 — a Central de Atendimento à Mulher, que funciona em todo o país e no exterior, 24 horas por dia. A ligação é gratuita. O serviço recebe denúncias, dá orientação de especialistas e faz encaminhamento para serviços de proteção e auxílio psicológico. O contato também pode ser feito pelo WhatsApp no número (61) 99656-5008.

A denúncia também pode ser feita pelo Disque 100, que apura violações aos direitos humanos.

Há ainda o aplicativo Direitos Humanos Brasil e a página da Ouvidoria Nacional de Diretos Humanos (ONDH) do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH). Vítimas de violência doméstica podem fazer a denúncia em até seis meses.

Caso esteja se sentindo em risco, a vítima pode solicitar uma medida protetiva de urgência.