Coluna

Flávio Ricco

"Um oásis de amor no meio de tanto ódio", diz Leifert sobre The Voice Kids

Divulgação/TV Globo
Tiago Leifert apresenta o "The Voice Kids" Imagem: Divulgação/TV Globo
Arte/UOL
Flávio Ricco

Jornalista, passou por algumas das mais importantes empresas de comunicação do país, como Tupi, Globo, Record e SBT. Dirigiu o "Programa Ferreira Netto" e integrou a equipe do "SBT Repórter". Escreve sobre televisão desde 2003. colunaflavioricco@uol.com.br

*Colunista do UOL

25/03/2016 07h00

A Globo exibe na tarde deste domingo (27) a final da primeira temporada do "The Voice Kids", disputada por Pérola Crepaldi, Wagner Barreto e Rafa Gomes. O programa estreou no começo de janeiro, sob o comando de Tiago Leifert, que também apresenta a versão adulta, e alavancou a audiência da emissora, na sua faixa, aos domingos.

Segundo informações da Globo, desde sua estreia o programa contabiliza mais de 88 milhões de videoviews no Globo Play e no site. Quando comparado com o mesmo período do ano anterior, em 2015, registrou um crescimento de 45% de audiência, com uma média de 16 pontos com 35 de participação em São Paulo. No Painel Nacional de Televisão (PNT), o reality registrou um crescimento ainda maior: 46% de audiência, com média de 19 pontos e 45 de participação.

"Tinha certeza que seria um sucesso", comemora Leifert. Na entrevista a seguir, ele também fala sobre a final, comenta o fato de o reality atravessar um momento tão conturbado na nossa história política, com manifestações e pedido de impeachment, e diz que a Globo deve repetir o mesmo time do programa no ano que vem:

Flávio Ricco - A primeira temporada do "The Voice Kids" se encerra neste domingo como um grande acerto, de audiência e repercussão nas redes sociais. Os números surpreenderam vocês?
Tiago Leifert: Juro que não. Eu tinha certeza que seria um sucesso, senti isso no primeiro dia, na primeira audição. Quem estava lá também sentiu.

O que o espectador pode esperar dessa final?
Um grande show. Todo mundo vai cantar, inclusive os técnicos e os semifinalistas. E será um programa mais longo, com 2 horas, começando um pouquinho mais tarde, entre 13h15 e 13h30. Almocem antes porque vai ser daquele jeito!

O conturbado momento político atrapalhou o programa de alguma maneira?
De forma alguma. Acho que estamos inseridos neste contexto. Fazemos parte desse momento também, somos um oásis de amor no meio de tanto ódio que estamos vendo por aí. O programa foi um jeito de olhar para o futuro e saber que vai dar tudo certo. Levamos uma mensagem de amor, honestidade, amizade, coragem. Acho que quem assistiu, quem esteve com a gente nesses últimos meses, vai entender o que estou dizendo.

Qual a maior dificuldade em trabalhar com crianças?
Se despedir delas. Quando elas não passam para a próxima fase é muito difícil. Elas trazem muita alegria e, quando vão embora, a gente fica com muita saudade.

Os pais, nos bastidores, dão muito trabalho?
Zero. Claro que eles estão ansiosos e apreensivos, mas nada além do que a gente espera de um momento como esse, de uma competição. Foi tudo muito natural.

Para a segunda temporada do "The Voice Kids", em 2017, a ideia é manter os mesmos jurados (Carlinhos Brown, Ivete Sangalo e a dupla Victor e Léo). Já tem data para a abertura de inscrições?
As inscrições ficam abertas o ano todo, não fechamos mais. Basta tomar coragem e mandar o vídeo a qualquer momento que estaremos esperando. Sobre o time, deve ser tudo igual sim! Todos nós estamos muito felizes.

*Colaboração de José Carlos Nery

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Topo