Coluna

Flávio Ricco

Saída da TV paga faz Rede TV! ter problemas com igreja

Divulgação
O líder da Igreja Internacional da Graça de Deus, R.R. Soares mostrou-se indignado com a queda da audiência Imagem: Divulgação
Arte/UOL
Flávio Ricco

Jornalista, passou por algumas das mais importantes empresas de comunicação do país, como Tupi, Globo, Record e SBT. Dirigiu o "Programa Ferreira Netto" e integrou a equipe do "SBT Repórter". Escreve sobre televisão desde 2003. colunaflavioricco@uol.com.br

Colunista do UOL*

03/04/2017 07h00

Fontes seguras revelam que R.R. Soares, líder da Igreja Internacional da Graça de Deus, foi aquele que mais se mostrou indignado com a queda de audiência da Rede TV!, no momento em que seu sinal deixou de ser distribuído pelas principais operadoras de TV paga. Um negócio que, informa-se, nas circunstâncias atuais deixou de ser interessante para ele. São R$ 7 milhões por mês pela cessão do horário.

Na semana passada, coincidindo com o apagão analógico na região metropolitana de São Paulo, a Rede TV!, Record e SBT decidiram cortar os sinais de todas as operadoras de televisão por assinatura, exceção à Vivo. Após a mudança para o sistema digital, elas querem receber por seu conteúdo e constituíram uma empresa, a Simba, para negociar com as operadoras. Sky, Net, Claro e Oi deixaram imediatamente de oferecer as três redes para os seus assinantes.

Para as igrejas isso também foi um tiro no pé porque, ao  diminuir o alcance de seus programas, é evidente que elas deixam de atingir um número expressivo de fiéis e perdem dinheiro. E todo mundo sabe que é por meio do dinheiro dos fiéis que são bancados os horários em diversas emissoras.

De um lado, sabe-se que a TV aberta é a maior audiência da TV paga e dai a importância de se encontrar logo uma saída que possa atender os dois lados. Mas, por outro, ninguém poderia imaginar tamanho amadorismo nessa questão. Deixaram tudo para a última hora e deu no que deu.      

*Colaborou de José Carlos Nery

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Topo