PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Flávio Ricco


Flávio Ricco

Cresce a importância da Liga dos Campeões na TV do Brasil

O narrador e apresentador Galvão Bueno - Zé Paulo Cardeal/TV Globo
O narrador e apresentador Galvão Bueno Imagem: Zé Paulo Cardeal/TV Globo
Flávio Ricco

Jornalista, passou por algumas das mais importantes empresas de comunicação do país, como Tupi, Globo, Record e SBT. Dirigiu o "Programa Ferreira Netto" e integrou a equipe do "SBT Repórter". Escreve sobre televisão desde 2003. colunaflavioricco@uol.com.br

Colunista do UOL*

03/06/2017 07h00

A Champions League – Liga dos Campeões da Europa –, a cada temporada, aumenta sua importância no calendário das emissoras paga e aberta do Brasil. Não à toa, sempre envolve uma acirrada (e cara) disputa por seus direitos de transmissão e, sem sombra de dúvida, se transformou em um dos maiores acontecimentos de suas grades. Tudo isso muito em função dos bons índices de audiência alcançados, pelo desfile de craques e principalmente por sua organização – algo de dar inveja ao “país do futebol”.

Lá, tudo funciona por música, enquanto cá, impera a costumeira desorganização. Não há termos de comparação, por exemplo, com a Taça Libertadores e toda a bagunça que a envolve.

Hoje à tarde, cercada de grande expectativa, vai acontecer mais uma final da Liga dos Campeões, jogo Real Madrid e Juventus, em Cardiff – País de Gales.  

Pelo segundo ano consecutivo, a Globo fará a transmissão tanto para a televisão aberta, movimentando Galvão Bueno, Casagrande, Júnior, Arnaldo e Eric Faria, quanto para mais de 300 salas de cinema no país, com trabalhos de Cleber Machado e Caio Ribeiro. Portanto, duas equipes escaladas para o evento. Você já viu uma situação assim, uma atenção como essa, com o Campeonato Brasileiro ou outro qualquer?

Na Bandeirantes, a narração ficará a cargo de Téo José e Neto mais Felipe Kieling, e no Esporte Interativo, André Henning, Zico, Vitor Sérgio Rodrigues e Mauro Beting.

*Colaboração de José Carlos Nery       

 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Flávio Ricco