Coluna

Flávio Ricco

O jornalismo na TV ainda não tem a atenção que merece

Reprodução
Repórter Andréia Sadi, da GloboNews Imagem: Reprodução
Arte/UOL
Flávio Ricco

Jornalista, passou por algumas das mais importantes empresas de comunicação do país, como Tupi, Globo, Record e SBT. Dirigiu o "Programa Ferreira Netto" e integrou a equipe do "SBT Repórter". Escreve sobre televisão desde 2003. colunaflavioricco@uol.com.br

Colunista do UOL*

29/12/2017 00h06

Em todo e qualquer balanço que se faça da televisão deste 2017, o jornalismo sempre vai aparecer com grande destaque.

Foi outro ano em que, por tudo que acontece em nosso país, às avessas com crises intermitentes na política e economia, fez crescer ainda mais o interesse pelos canais de informação.

De estarrecer que eles, os especializados ou que trabalham com a notícia, continuem sendo tão poucos, apenas GloboNews e BandNews, cada um dentro dos seus limites e possibilidades.

Se considerarmos as inúmeras emissoras que integram qualquer pacote de TV paga e os tantos ananases que os compõem, iremos verificar que o investimento na área da informação, no todo, é quase nenhum.

Percentualmente, baixo demais.

Uma luzinha no fim do túnel, se existe ou não passa de ilusão de ótica, é o prometido canal de informação pela Simba.

Mas será que ele vem? Duvideodó.

Mau jornalismo
Ontem, quinta-feira, o “Balanço Geral DF”, da Record, na maior cara lavada desse mundo, ficou meia hora com selo de “ao vivo” no ar, vídeo de internet, exibindo imagens de um tiroteio... que, na verdade, aconteceu na semana passada.

E nem de Brasília era. Foi no Recife.

Samuel Chaves/Brazil News
Adriane Galisteu participou da "Dança dos Famosos", quadro do Faustão Imagem: Samuel Chaves/Brazil News
Nada além
Adriane Galisteu eliminada na semifinal da “Dança dos Famosos”, brecou por ali a sua relação com a Globo.

Embora existissem outras possibilidades de trabalho, nenhuma foi em frente. Pelo menos até agora.

Mexida na Band
Está sentado? Então anota: no comecinho de janeiro agora, a Band deve anunciar o nome do Mário Baccei, vice-presidente de Rádios do Grupo Bandeirantes, como novo homem forte do departamento comercial.

Será colocado num posto acima de Nilson Moysés, colocado como diretor em agosto. 

Não andou
O desejo de alguns da Record em diminuir o espaço da igreja nas madrugadas, através de produtos mais competitivos no horário e com isso aumentar sua média de audiência, não foi em frente.

Encontrou resistências. Fortes resistências.

Não tem como
O dinheiro da igreja pelo espaço da madrugada é indispensável, até por questões contábeis e fiscais. E considerado indispensável para a saúde da Record. 

Sem ele, viver só do que a TV produz e arrecada, seria muito mais difícil. Impossível até.

Folga cronometrada
Existe, entre os atores, a conscientização que folgas mais longas, com novela no ar, são praticamente impossíveis.

Mesmo em período do Natal e Ano Novo. Pessoal de “O Outro Lado do Paraíso” que o diga.

Acertou a mão
A propósito de “O Outro Lado do Paraíso”, impossível não reconhecer os efeitos da virada na novela.

Walcyr Carrasco foi direto ao ponto. Assimilando rapidamente o que não funcionava, ele mexeu com extrema habilidade onde foi necessário.

Falando nisso
Por que nas vinhetas de aberturas das novelas e nem mesmo nos créditos de encerramento nenhuma faz menção ao nome da música tema?

Curioso é que a escolha de cada uma, antes da estreia, sempre dá muito trabalho e, por vezes, envolve negociações complicadas. Depois, nem tchuns.

Situação de sempre
Em novelas, obra aberta, que permite ao autor mexer pontualmente onde mais funciona, é comum o crescimento de determinados personagens com o correr da história.

Vai muito do desempenho de cada um e da aceitação do público.

Raquel Cunha / TV Globo
Mayana Neiva como a Leandra de "O Outro Lado do Paraíso" Imagem: Raquel Cunha / TV Globo
Situação de agora
Em “O Outro Lado do Paraíso”, Mayana Neiva é um caso que chama atenção. Leandra, no começo da novela, não se mostrou uma personagem com muito futuro.

Aos poucos, no entanto, sabendo usar o seu lugar, o papel foi crescendo a ponto de se tornar indispensável no conjunto da trama.

Pontas de lança
Em todo final de ano, há sempre uma expectativa muito grande em torno do que a nova programação da Globo poderá apresentar de novidades.

Novidades que agora, em relação à faixa nobre, ficaram restritas aos programas de temporada. “Tela Quente”, “Profissão Repórter”, futebol nas quartas, “Globo Repórter”, “Zorra”, “Altas Horas” e “Fantástico” são considerados imexíveis.

Bate – Rebate
• Depois de “Velho Chico”, Camila Pitanga voltará a ser escalada em novelas neste próximo ano.
• Fábio Assunção, idem, na mesma data.
• A direção da Rede TV! deixou para o final de janeiro todas as decisões da sua nova programação...
• ... Já existem algumas coisas conversadas, outras encaminhadas, mas nada será definido agora.
• O assunto Márcia Goldschmidt – Band também não apresentou novidades nos últimos dias...
• ... Pelo jeito também deram um tempo na conversa.
• Novo contrato do César Filho com a Record passa a estipular folga em alguns finais de semana prolongados...
• ... Pelo menos dois em cada semestre...
• ... E em 2018, o calendário prova, teremos uma infinidade deles.
• A partir da primeira semana de janeiro serão intensificados os ensaios do próximo “Dancing Brasil”, da Xuxa.

*Colaborou José Carlos Nery

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Topo