Topo

Coluna

Flávio Ricco


Disputa na TV Cultura também se transforma em uma intensa guerra política

Divulgação
Imagem: Divulgação
Flávio Ricco

Jornalista, passou por algumas das mais importantes empresas de comunicação do país, como Tupi, Globo, Record e SBT. Dirigiu o "Programa Ferreira Netto" e integrou a equipe do "SBT Repórter". Escreve sobre televisão desde 2003. colunaflavioricco@uol.com.br

Colunista do UOL*

2019-05-09T10:44:25

09/05/2019 10h44

Os interesses políticos em jogo poucas vezes tornaram a escolha de uma nova direção da Fundação Padre Anchieta tão complicada como a de agora.

É sabido que as preferências do atual presidente, Marcos Mendonça nunca foram as mesmas de Augusto Rodrigues, o presidente do Conselho.

Daí as dificuldades de se chegar a um nome de consenso para substituir Mendonça.

Alvo de críticas de alguns setores culturais, por ter escolhido um carioca, Sérgio Sá Leitão, para a Secretária de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, o governador João Doria tem acompanhado o processo com maior interesse.

A presidência da Rádio e TV Cultura sempre esteve alinhada ao Governo do Estado.

No atual cenário três nomes são colocados para disputar o cargo. Ricardo Scalamandré, veterano e bem-sucedido executivo da TV, com passagens por SBT e Globo, aparece como primeiro deles, embora existam dúvidas se irá aceitar. Outro, Luciano Cury, também um profissional de televisão com trabalhos na própria Cultura e Bandeirantes, que parece descartado. E, por último, Helena Bagnoli, indicada por Augusto Rodrigues, com passagens na Cultura e presidência da MTV, que segundo post nas redes sociais teria votado em Márcio França nas últimas eleições.

No que vai dar, difícil saber.

*Colaborou José Carlos Nery