Topo

Coluna

Flávio Ricco


Band monitora programas e ameaça acabar com os deficitários

Reprodução
Imagem: Reprodução
Flávio Ricco

Jornalista, passou por algumas das mais importantes empresas de comunicação do país, como Tupi, Globo, Record e SBT. Dirigiu o "Programa Ferreira Netto" e integrou a equipe do "SBT Repórter". Escreve sobre televisão desde 2003. colunaflavioricco@uol.com.br

Colunista do UOL*

17/09/2019 00h05

Para não repetir os mesmos erros do passado, a direção da Band passou a acompanhar o resultado de cada um de seus programas. Não só a audiência.

A ordem é tirar imediatamente do ar todos os que estiverem no vermelho. Alguns permanecem em estado de atenção.

Na Band, quando se fala em não repetir os erros do passado, sempre é citado o exemplo do "Superpoderosas", de tão triste memória.

Levado ao ar por cerca de seis meses, acumulou prejuízo superior a R$ 600 mil.

O anúncio do fim do programa, comandado por Natália Leite, aconteceu no início de novembro de 2018. Idealizado por Ana Paula Padrão a partir da plataforma Escola de Você, o "Superpoderosas" era um produto voltado para a mulher contemporânea.

O seu horário de exibição —na faixa da manhã— sempre foi questionado e colocado como uma das principais razões de não ter dado certo.

*Colaborou José Carlos Nery

Flávio Ricco